ALBUMS

Todos os álbuns estão disponíveis em streaming e em todos os serviços de download (nessa pagina ou no iTunes, Amazon, CDBaby, etc...).

                                   

Physical CDs are also available (Sambola not yet!), contact me to buy them!

Sambola (2020)

 As a delicious meal with dishes from several cultures, Sambola means "mixed salad" and features collaborations and spices from many different countries and traditions. Eleven original tracks sung in sinhala, portuguese, french, arabic, spanish (and more) to describe the magic of multiculturalism!

"Samboleros": who took part at the recordings of the album

1. Cani Huertas: cajon (8)

2. Alessandro Dall’aglio: percussions (9) 

3. Nabil Diouri: clarinet (2)

4. Ermanno Panta: sax (3), flute (8, 11)

5. Nano Marbella: coro (10)

6. Isidoro Aparicio Tercero: cello (2, 4)

7. Joaquin Sanchez Gil: clarinet (1, 4, 9)

8. Sia & Aldo: voice (7)

9. Miguel Julia Garrido: kalimba (7)

10. Lamine Seraoui: voice (2,3)

11. Rashini Wickramasinghe: voice (1, 3)

12. Juanillo: voice (3, 9, 10)

13. Matteo Crugnola: guitars, cavaquinho, charango, mini harp, percussions (1, 3, 4, 5, 7, 11), kalimbas (3, 8, 11)

14. Alicia Tamariz: voice (5, 8)

15. Juan Carlos Camacho: trumpet (5, 9)

16. Javier Perez: percussions (riqq, bendhir)(1, 2, 4)

17. Roberto Mattei: double bass  

18. Isabelle Liptay: voice (3)

19. Marco Modica: violin (2, 11)

20. India Mae da Lua: berimbau (1)

21. Rubens Silva: flamenco guitar (10)

22. Jorge Dopico: trombone (9)

23. Jose Morrison: electric guitar (9)

24. Karima Toré Gürsel: sax (9)

Mastering by Andrea Pellegrini

Cover artwork by Neshat Hedayati

"The idea of this album started more than 3 years ago, but if I think it well the real beginning of this project is over 10 years ago, when I first met a very special human being and a great friend: Juanillo. He’s a poet, educator and guitar player -amongst other things - and soon we realized we had a deep musical connection. His ideas to me were like magical seeds, he could play a 5 second riff but in my mind that was the key to a whole song with lots of instruments and voices.
For years we talked about making music together or recording something, but I guess we enjoyed so much improvising and sharing weird musical ideas that we didn’t take it seriously. Then, as sometimes happens in life, suddenly coincidences started a flow that we could hardly control; we began recording sketches of songs and several talented friends came around to participate in the recordings.The basic ingredients were there. Immediately after those recordings he left to live in South America, and I kept on with the arranging/recording/mixing process.
The meal was already cooking in the oven!"

Matteo

"Cuando te lo estás pasando bien es difícil inventar un plan mejor. Simplemente nos limitamos a obedecer esa energia que nos mantiene hipnotizados sin pensar mucho en descubrir por qué. Parece como si el objetivo fuera no bajarse de las nubes y seguir en esa alfombra voladora todo el tiempo que la magia lo permita. Así que las semanas que estuvimos grabando sambola fueron una especie de carnaval improvisado donde a medida que sonaba la música íbamos invitando a más gente a unirse a la fiesta por esa necesidad humana de compartir el placer en compañia y también porque las canciones necesitaban manos, pieles, voces y espiritus que las encarnasen mientras cobraban vida Y así se fue alargando la fiesta y la alegría hasta hoy, que os presentamos aquí esta aventura musical con una variada tematica que va desde el misterio más disonante hasta el jaleo más festivo, desde las propuestas mas terrenales hasta los ritmos mas irregulares, desde la comedia más disparatada hasta el canto más profundo, voces en varias lenguas que nos llevan de paseo por el mundo, con la intención de que la fiesta de la música no termine, sino que solo acabe de empezar". 

Juanillo

About Sambola...

Mãe da Lua (2017)

 

A voz e o coração desse álbum são India Mãe da Lua, poeta, cantante, multi instrumentista, pesquisadora de cantos e dialetos ancestrais e de instrumentos tradicionais de varias culturas . Com voz intensa e profunda ela canta a necessidade de preservar o ambiente, o significado da existência e a importância do amor universal. As músicas tem mensagem de tolerância e paz, na convicção que a música pode transformar e unir as pessoas.

Com a participação de:

Mãe da Lua: voz, flautas indigenas, percussões, ngoni

Matteo Crugnola: violão, charango, cavaquinho, percussões, kalimbas, setar, baixo, oud, sons.

Ermanno Panta: flauta, saxo, pandeiro

Linda & Sergio: voz (8)

Marco Modica: violino (5, 9, 12, 13)

Joaquín Sánchez Gil: clarinete (10)

Andrea Stanzione:  contrabaixo (13)

Imad: guembri (4)

Alex Dell’Aglio: bateria (6)

Maggie, Valentina, Astrid, Elisa, e outros: coro (3, 6, 12)

Cover artwork by Neshat Hedayati, photo by Karolina Daria

“Conheci India Mãe da Lua no ano 2004, quando nós tocávamos nas ruas das cidades do sul da Espanha. Ela tinha chegado há pouco tempo na Europa e estava viajando com tantos instrumentos que ela sozinha não conseguia levar todos e sempre tinha algum amigo a ajudando. Lembro que pra mim foi impactante ver a relação que ela tinha com a música: ao chegar numa praça ela colocava um tapete no chão e muitas percussões, flautas e instrumentos estranhos encima desse tapete, como se isso fosse um ritual. Logo começava a tocar e cantar, convidando as pessoas do público a pegarem um instrumento e tocar junto com ela. Para ela música era compartilhar, realmente acreditava na possibilidade da comunhão dos seres através da música. A voz dela era forte e carismática, a mensagem dela tão transparente  que transcendia a barreira dos idiomas. Ela morou junto comigo e Ermanno Panta alguns meses, e nós fazíamos música o tempo todo. Depois ela voltou para o Brasil; durante dez anos ficamos em contato mas nos encontramos muito pouco. Ao final do ano 2015 eu liguei pra ela, e perguntei se ela tinha gravado aquelas músicas que tocávamos juntos. Ela falou que não, e que já fazia um tempo que estava pedindo pra o céu que alguém a ajudasse naquele processo, e que também tinha muitas músicas novas. Esse foi o início desse álbum!"

La Danse d'Harmattan (2011)

 

Ermanno Panta: flute, pandeiro, voice (4)

Esse álbum foi escrito e gravado em Ouagadougu, numa viagem a Burkina Faso. O encontro com músicos desse lugar inspirou esse projeto, uma ponte entre culturas diferentes. A mistura de vozes  e instrumentos tradicionais Africanos e ocidentais conta a magia desse encontro. As canções narram histórias da vida cotidiana, de jovens que migram procurando a realização de  seus sonhos, de povoados que desaparecem em nome da modernidade.

 Djiga "Papa" Aboubacar:

djeli 'ngoni, percussions, 'ngoni bass

Seydou Traorè:

voice (1,3)

Tim Winsey:

voice (2,5)

Robert Tiendrebeogo:

calebasse (1,4)

Khanzai:

voice (5)

  • Facebook Icona sociale
  • Youtube
  • Instagram
© 2017 Matteo Crugnola. All rights reserved